Nº 1447 ano 2021
Data:

Principal Impeachment


Impeachment de Mauro Carlesse já é tratado por deputados estaduais, mas Antônio Andrade é contra

Nada menos que 17 deputados estaduais estiveram reunidos na casa de um deles para discutir um possível impeachment do governador afastado Mauro Carlesse. A resistência estaria no presidente da Assembleia Legislativa, Antônio Andrade, fiel aliado de Carlesse. A reunião teve a participação do governador em exercício Wanderlei Barbosa.

Por: Primeira Página/Redação
Publicada em: 24/11/2021 16h11min
Atualizada em: 24/11/2021 17h03min
Foto: Washington Luiz
Mauro Carlesse foi afastado por decisão unânime do STJ

Um movimento a favor do impeachment do governador afastado Mauro Carlesse (PSL) tem ganhado força entre os deputados estaduais.

Nessa terça-feira, 23, 17 parlamentares participaram de uma reunião na casa do deputado Amélio Cayres (SD) para discutir a possibilidade. O governador em exercício Wanderlei Barbosa (sem partido) participou das discussões. A notícia foi publicada pelo portal CT. 

A articulação do processo de impeachment acontece ao mesmo tempo em que Carlesse tenta juridicamente uma liminar para que seja possível a recondução ao cargo.

Além dos 17 deputados que participaram dessa reunião, outros quatro também seriam a favor do afastamento definitivo de Mauro Carlesse. Para que o pedido de impeachment seja iniciado é necessária a autorização do presidente da Assembleia Antônio Andrade (PSL) que tem se mostrado contrário a ideia.

Relembre o caso

Mauro Carlesse foi afastado do cargo por decisão do ministro do STJ Mauro Campbell em 20 de outubro de 2021 por 180 dias. No mesmo dia, as operações Éris e Hygea foram deflagradas pela Polícia Federal  para desarticular organização criminosa composta por membros da cúpula do governo do Estado suspeita de obstruir investigações de combate à corrupção e desmantelar o esquema de pagamento de vantagens indevidas relacionadas ao Plano de Saúde dos Servidores do Estado do Tocantins (Plansaúde).

As investigações, iniciadas há quase dois anos, demonstram um complexo aparelhamento da estrutura estatal voltado a permitir a continuidade de diversos esquemas criminosos comandados pelos principais investigados, que teriam movimentado dezenas de milhões de reais por meio dos crimes praticados.

Operação Éris 

A operação Éris visa desarticular o braço da organização criminosa instalado na Secretaria de Segurança Pública do Estado do Tocantins suspeito de obstruir as investigações, utilizando-se de instrumentalização normativa, aparelhamento pessoal e poder normativo e disciplinar contra os policiais envolvidos no combate à corrupção. O grupo ainda é suspeito de vazar informações de investigações em andamento aos investigados.

Operação Hygea

Já a operação Hygea tem o objetivo de desmantelar o esquema de pagamentos de vantagens indevidas relacionadas ao Plansaúde e a estrutura montada para a lavagem de dinheiro, assim como demonstrar a integralização dos recursos públicos desviados ao patrimônio dos investigados.

Segundo as investigações, o governo estadual removeu indevidamente delegados responsáveis por inquéritos de combate à corrupção conforme as apurações avançavam e mencionavam expressamente membros da cúpula do Estado. Há ainda fortes evidências da produção coordenada de documentos falsos para manutenção dos interesses da organização criminosa.