Nº 1394 ano 2020
Data:

Principal Apoio Acadêmico


Equipe de pesquisadores da UFT está desenvolvendo plataforma sobre saúde mental

Levantamento indicou que grande parte dos universitários não têm ciência dos serviços de auxílio psicológico que são ofertados.

Por: Divulgação
Publicada em: 17/11/2020 11h43min
Foto: Divulgação

Uma equipe de pesquisadores da UFT está desenvolvendo uma plataforma de apoio psicológico à comunidade, principalmente alunos. A equipe, coordenada pela professora de Jornalismo Alice Agnes, é composta por uma médica da família egressa da UFT, uma professora de Psicologia e uma aluna de Enfermagem.

O projeto tem como objetivo desenvolver um app ou um chatbot que ajude na identificação e orientação inicial de pessoas em situação de vulnerabilidade psicológica, baseado no protocolo do Ministério da Saúde. Em 2018, foi realizado um pré-mapeamento de questões relacionadas à saúde mental dos estudantes da UFT e números preocupantes de sofrimentos psíquicos foram constatados.

“No nosso mapeamento de 2018 observamos que 69,7% dos participantes admitiu ter algum problema de saúde emocional. Em relação aos diagnósticos já recebidos, 81% dos participantes afirmaram sofrer com crises de ansiedade, 46% com depressão, 25% com transtorno de déficit de atenção, além de diversos outros problemas como transtorno bipolar, síndrome do pânico, bulimia, anorexia, automutilação”, diz a coordenadora Alice Agnes. “Além dos diagnósticos confirmados de problemas associados ao sofrimento psíquico, dentre os dados mais impactantes obtidos nas entrevistas está o fato de que, 63% dos participantes da pesquisa declararam que já tentaram ou pensaram em suicídio, e 59% disseram desconhecer a existência de quaisquer serviços de apoio à saúde mental dentro ou fora da Universidade”.

A pesquisa indicou que grande parte dos universitários não têm ciência dos serviços de auxílio psicológico que são ofertados. “Esta mesma pesquisa demonstrou que a maioria das pessoas desconhece os serviços de apoio oferecidos pela UFT, pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e por outras iniciativas. Esse projeto é uma tentativa de reduzir estes números tão preocupantes”, afirma a coordenadora.

A equipe espera iniciar os testes da plataforma em janeiro de 2021 e a coordenadora reitera a importância do projeto “Este projeto é importante porque pode ajudar os Programas de Apoio à Saúde Mental Estudantil na identificação de alunos em risco e também orientar pessoas em sofrimento, seguindo o Protocolo Nacional de Prevenção ao Suicídio.”

Uma pesquisa está sendo realizada para escolher a ferramenta (chat, autobot, entre outros) que será utilizada.