Nº 1299 ano 2018
Data:

Polícia Em Araguaína


Médico ameaça professora com réplica de fuzil e é indiciado pela PC

Por fim, as investigações constataram que o médico utilizava a referida arma de ar comprimido para matar pombos, e um dia antes do ocorrido, fora encontrado, por uma funcionária do referido estabelecimento de ensino, um saco plástico contendo cinco pombos mortos.

Por: Divulgação
Publicada em: 28/11/2018 17h45min
Atualizada em: 10/12/2018 17h02min
Foto: Divulgação
Maurício foi indiciado pelos crimes de injúria, ameaça, falsa identidade, maus tratos contra animais e perturbação do trabalho alheio

A Polícia Civil do Estado do Tocantins, por intermédio da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Araguaína concluiu, nesta quarta-feira (28), às investigações referentes à conduta perpetrada pelo médico Maurício Teixeira Martins da Costa Filho, de 39 anos de idade.

Conforme o delegado Luis Gonzaga da Silva Neto, durante as investigações realizadas pela Polícia Civil, foi apurado que Maurício perturbou a execução dos trabalhos do Núcleo de Prática Jurídica de uma faculdade particular, que fica ao lado de sua residência, pois estava com o som ligado em volume muito alto, atrapalhando e impedindo a continuidade das aulas.

Neste ínterim, uma professora fora solicitar ao médico para que baixasse o referido som, mas fora recebida com ameaças, sendo que Maurício se identificou como sendo promotor de justiça, mas na verdade é médico. Na ocasião, o homem estava empunhando um simulacro de fuzil, tratando-se este de uma arma de chumbinho, vindo a apontar a arma na direção da professora. 

Na sequencia dos fatos, Maurício ainda proferiu diversas ofensas e ameaças contra o advogado da professora que a acompanhava no local. Por fim, as investigações constataram que o médico utilizava a referida arma de ar comprimido para matar pombos, e um dia antes do ocorrido, fora encontrado, por uma funcionária do referido estabelecimento de ensino, um saco plástico contendo cinco pombos mortos.

O delegado Luís Gonzaga da Silva Neto concluiu o inquérito, sendo que Maurício foi indiciado pelos crimes de injúria, ameaça, falsa identidade, maus tratos contra animais e perturbação do trabalho alheio e, se condenado, pode pegar um pena total de até 04 (quatro) anos de prisão.

Ainda de acordo com o delegado, foram oficiados os Conselhos Regional e Federal de Medicina, sendo informados do indiciamento e para que apurem no âmbito disciplinar, possível infração as diretrizes ética e administrativa da atividade médica. O caso agora fora encaminhado ao Poder Judiciário para as medidas cabíveis.

Comentários

Deixe um comentário

Palmas - Tocantins