Nº 1315 ano 2019
Data:

Geral Sequestro de WhatsApp


Funcionários de operadoras podem estar envolvidos no golpe de sequestro de WhatsApp

Fontes consultadas pela redação do Primeira Página apontam para o possível envolvimento de trabalhadores das empresas Oi e Claro.

Por: Rafael Miranda/Redação
Publicada em: 10/06/2019 10h52min
Atualizada em: 12/06/2019 16h31min
Foto: Divulgação
Delegada Cinthia de Paula não quis confirmar nenhum nome sobre os funcionários de operadoras envolvidos no esquema, para não atrapalhar a investigação.

Na reportagem especial do jornal Primeira Página sobre sequestro de contas de WhatsApp em Palmas, foi apurado junto a Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) - em entrevista com a delegada Cinthia de Paula - que o envolvimento no esquema de funcionários de operadoras em Palmas está sendo acompanhado pela Polícia Civil.

Fontes consultadas pela redação do Primeira Página apontam para o possível envolvimento de trabalhadores das empresas Oi e Claro. Questionada sobre essa informação, a delegada Cinthia de Paula não quis confirmar nenhum nome, para não atrapalhar a investigação.

A redação do Primeira Página entrou em contato com as quatro maiores operadoras de telefonia do Brasil: Oi, Claro, Tim e Vivo, para responder sobre o possível envolvimento de funcionários no esquema.

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal – SINDITELEBRASIL, que reúne quase 80 companhias do ramo que atuam no país, enviou uma nota ao jornal, mas optou por não prestar declarações sobre a confirmação da delegada.

Conforme apurado pelo jornal Primeira Página, os funcionários dessas empresas atuam no sentido de alterar as informações dos chips, cedendo inclusive dados pessoais de clientes, facilitando a realização do golpe.

Só no mês de maio, a Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) registrou 21 casos de cidadãos que tiveram sua conta clonada - e toda a rede de amigos, familiares e conhecidos - expostas na mão de golpistas.

Comentários

Deixe um comentário