Nº 1331 ano 2019
Data:

Principal Câmara Municipal


Diogo lamenta suspensão de TARES de frigoríficos e pede revisão da medida

Diogo garantiu que essa medida decepciona e desestimula o comércio local, além de colocar em risco 36 mil postos de trabalhos.

Por: Divulgação
Publicada em: 08/10/2019 15h37min
Atualizada em: 08/10/2019 15h45min

Durante sessão ordinária dessa quinta-feira, 3, o vereador Diogo Fernandes lamentou a atitude do Governo do Tocantins em suspender os TARES (Termos de acordo de Regimes Especiais), que são acordos que dão benefícios e incentivos para que os frigoríficos fiquem instalados no estado.

O parlamentar garantiu que essa medida decepciona e desestimula o comércio local, além de colocar em risco 36 mil postos de trabalhos, de pessoas que fazem o abate de carnes. “Temos que lembrar que o comércio e a indústria que movem o Tocantins, e a retirada do incentivo fiscal atinge todos, desde os produtores, açougues e consumir. Além disso o preço da carne irá subir, infelizmente diminuindo o consumo de muitos”, observou.

Fernandes ainda afirma que o Governo não irá conseguir enquadrar todos os cidadão que perderem o emprego e pede que a medida seja revista. “Espero que o governo reveja esse acordo e pense nas pessoas que precisam do emprego para sustentar suas famílias. Quanto menos imposto é cobrado, mais emprego será gerado”, analisa o vereador.

Atenção para o trânsito

O vereador ainda usou a tribuna para pedir que ao Poder Executivo mais comprometimento com a segurança do trânsito na Capital, em vez de pensar só na arrecadação tributária. “A Secretaria Municipal de Segurança e Mobilidade Urbana faz um planejamento ruim para aplicação de equipamentos de segurança no trânsito. Nós vemos aplicação de sistemas de segurança (radar) em lugares que estão prontos para arrecadar. Mas onde realmente se faz necessário não é investido um centavo, como ruas e avenidas predispostas a acidentes”, contou.

Para Fernandes, a Secretaria deve realizar um levantamento dos locais que precisam dos aparelhos, em vez de pensar só na arrecadação através de multas.

Comentários

Deixe um comentário